quinta-feira, 31 de maio de 2012

DENÚNCIA DE ESCRAVIDÃO POR RÁDIO COMUNITÁRIA É DESTAQUE NA XII SEMANA DE COMUNICAÇÃO

SÃO LUÍS – Discutir sobre as rádios comunitárias e o seu papel junto à população é sempre um tema pertinente dentro da comunicação. Sabendo disso, a Relações Públicas Rosiane de Oliveira produziu o Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, Rádio comunitária como espaço de construção de cidadania: um estudo sobre a rádio comunitária Arca FM, no contexto da rede de denúncia do trabalho escravo no Maranhão e o desmembrou no artigo Estudo da atuação do projeto Comunicar para Libertar na rede de denúncia ao trabalho escravo contemporâneo, ambos orientado pela professora do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Flávia Moura, que os inscreveu na XII Semana de Comunicação, que acontece até amanhã (1º) na UFMA.

Rosiane apresentou os trabalhos e falou como surgiu a iniciativa para a realização deles: “Há dois anos e meio eu participo do projeto Vozes da Esperança, coordenado pela professora Flávia Moura, que trabalha com a denúncia do trabalho escravo. Quando me formei, em dezembro de 2011, quis usar o tema; fiz o recorte e produzi o artigo”, afirmou a jovem.

Os trabalhos contaram com pesquisa teórica, entrevistas e pesquisa de campo. Foram ouvidos tanto os trabalhadores escravos quanto quem denunciava o crime. É aí que entra o trabalho de pesquisa com a rádio comunitária Arca (Associação de Rádios Comunitárias de Açailândia), que fez este trabalho de divulgação. Além disso, foi constatado que os moradores que ouviam a rádio tinham uma visão muito mais crítica do que quem morava na cidade, mas só ouvia as rádios comerciais.

Rosiane destacou a importância da apresentação de seus trabalhos na XII Semana de Comunicação: “A semana é um espaço muito importante de debates, no qual eu posso divulgar meu trabalho, fazer as pessoas saberem que existe trabalho escravo em Açailância e que as rádios denunciam esses problemas. Ao mesmo tempo, pude adquirir conhecimento com as várias temáticas discutidas”, explicou a Relações Públicas.

Saiba +

A XII Semana de Comunicação, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), está acontecendo no Centro de Ciências Sociais (CCSo), na Cidade Universitária, até amanhã. O evento, que acontece junto à III Semana do Audiovisual e à II Jornada de Pesquisa e Extensão em Comunicação, está reunindo profissionais, pesquisadores e acadêmicos de várias áreas, em um espaço de promoção e troca de informações no campo da Comunicação, bem como a discussão de novas possibilidades narrativas que emergem por meio do tema desta edição: Múltiplas telas: Narrativas midiáticas contemporâneas.

ENCONTRO ESTADUAL DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS

Começa hoje 31, no campus do Bacanga, o I Encontro de Rádios Comunitárias para Divulgação Científica e Direitos Humanos, com a participação de comunicadores populares de 10 microregiões do Maranhão e área metropolitana de São Luís.

O evento é uma parceria da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias no Maranhão (Abraço-MA), UFMA, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Cidadania (Sedihc), como apoio do SESC e do Sindicato dos Servidores Públicos Federais (Sindsep).

A abertura do encontro acontecerá dia 31 de maio (quinta-feira), às 14h, na sala B – 103, no Centro de Ciências Sociais (CCSo). O encontro é um pré-evento da 64ª Reunião da SBPC, que será realizada em julho, na UFMA, com o tema “Ciência, cultura e saberes tradicionais para enfrentar a pobreza”.

No eixo dos debates está o potencial das pequenas emissoras como parceiras do ambiente acadêmico e nas políticas de cidadania. “As rádios comunitárias localizadas em bairros, nos pequenos e médios municípios podem ser aliadas importantes na divulgação científica e na difusão das diretrizes de direitos humanos”, aponta o presidente da Abraço-MA Luis Augusto Silva Nascimento.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

ENCONTRO ESTADUAL DE RÁDIOS COMUNITÁRIAS DEBATE O DIREITO À COMUNICAÇÃO

Na ocasião, será lançada a obra “Rádios Comunitárias no Maranhão: história, avanços e contradições na luta pela democratização da Comunicação”

SÃO LUÍS - Entre os dias 31 de maio e primeiro de junho, será realizado na Sala B-103 do Centro de Ciências Sociais (CCSo) o Encontro Estadual de Rádios Comunitárias. O evento é uma parceria da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias no Maranhão (Abraço-MA), UFMA, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Cidadania (Sedihc), como apoio do SESC e do Sindicato dos Servidores Públicos Federais (Sindsep).O encontro é um pré-evento da 64ª Reunião da SBPC, que será realizada em julho, na UFMA, com o tema “Ciência, cultura e saberes tradicionais para enfrentar a pobreza”.

No Brasil, as rádios comunitárias surgiram entre as décadas de 1980 e 1990, com a popularização dos transmissores de rádio. Esses canais foram importantes para dar voz a grupos socialmente marginalizados e excluídos dos veículos tradicionais. A primeira regulação do setor se deu com a Lei nº 9612/1998, a partir da pressão dos movimentos sociais. No entanto, a lei trouxe aspectos burocráticos e acabou protegendo setores da grande mídia.

O encontro será um espaço para debater o atual papel das rádios comunitárias na democratização da mídia, discutindo diferentes aspectos, como a renovação das outorgas dessas rádios, a parceria com o curso de Comunicação da UFMA e o papel desses veículos para promover o direito à comunicação. Na ocasião, o professor do Departamento de Comunicação e diretor de formação da ABRAÇO-MA, Ed Wilson Ferreira Araújo, lançará a obra “Rádios Comunitárias no Maranhão: história, avanços e contradições na luta pela democratização da Comunicação”, resultado de sua dissertação no Mestrado em Educação, concluído em 2004, na UFMA. O evento terá início às 14h, na sala B103 do CCSo e será aberto a todos os interessados.

ASCOM UFMA

quinta-feira, 24 de maio de 2012

ABRAÇO SE DESTACA NO IV ENCONTRO DE JORNALISTAS DO NORDESTE

A Abraço (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária) participou do IV Encontro de Jornalistas do Nordeste. O evento, que foi promovido pela Fundação Banco do Brasil, abordou como tema geral a Superação da Pobreza e o Desenvolvimento Sustentável, contando com a presença de comunicadores dos nove estados nordestinos. O encontro realizado entre os dias 16 e 18 de maio no Hotel Armação em Porto de Galinhas – PE, fez com que os profissionais da imprensa nordestina debatessem temas urgentes como: a Plataforma de Tecnologias Sociais na Rio+20, a Inclusão Digital e Protagonismo Social e a Universalização da Água.

Em meio a um debate que aprofundou sobre o papel social do comunicador, os representantes da Abraço levantaram várias questões referentes a radiodifusão comunitária no Brasil. Os pontos destacados foram: sustentabilidade das emissoras comunitárias; a valorização das organizações da comunidade como resistência e garantia de igualdade nas lutas; a lenta tramitação dos processos no Ministério das Comunicações; legislação das outorgas; Economia Solidária; a divulgação imparcial dos projetos sociais sustentáveis, pelas rádios comunitárias; inclusão digital; ações sociais integradas, principalmente entre os Ministérios das Comunicações, Cultura e Desenvolvimento Agrário.

O coordenador das regionais da Abraço Nacional e coordenador geral da Abraço-PB, Moreira Silva, o evento constatou o importante papel das emissoras comunitárias e seus projetos apoiados pela Fundação Banco do Brasil. “No gráfico e cronogramas da fundação, a Abraço se destaca como parceira indispensável, pela capacidade de diálogo direto com a comunidade”, relata Moreira. O coordenador também aproveitou o grande encontro, para convidar os comunicadores a fazerem uma mídia do bem. “Que saiam do sensacionalismo e dediquem seus serviços para sociedade. Caso contrário, estarão praticando um desserviço”, protestou.

Para o coordenador da Abraço-MA, Adilson Souza, o encontro mostrou que a Abraço está crescendo junto com as maiores instituições do país. “A presença da Abraço nesse evento foi marcante para coloca-la em um patamar de organização dentro do cenário jornalístico nacional”, destacou Adilson Sousa, Dir. das Regionais Maranhão.

Fonte: Abraço Nacional